sexta-feira, 5 de abril de 2013

Como é o despertar do Espírito depois da morte?


Adelaide nos pergunta se é normal a perturbação dos Espíritos nos instantes que se seguem à morte do corpo físico.
Ensina o Espiritismo que por ocasião da morte tudo, a princípio, é confuso. O Espírito desencarnante precisa de algum tempo para entrar no conhecimento de si mesmo. Ele se acha como que aturdido, no estado de uma pessoa que despertou de profundo sono e procura orientar-se sobre a sua situação. A lucidez das ideias e a memória do passado lhe voltam aos poucos, à medida que se apaga a influência da matéria que ele acaba de abandonar e se dissipa a espécie de névoa que lhe obscurece os pensamentos.
O processo de desprendimento espiritual é lento ou demorado, conforme o temperamento, o caráter moral e as aquisições espirituais de cada ser. Não existem duas desencarnações iguais. Cada pessoa desperta ou se demora na perturbação, conforme as características próprias de sua personalidade.
A perturbação pode, pois, ser considerada o estado normal no instante da morte, e perdurar por tempo indeterminado, variando de algumas horas a alguns anos, de conformidade com o estado evolutivo do Espírito.
Breve no caso das almas elevadas, pode ser longa e penosa no caso das almas culpadas. Para aqueles que já na existência corpórea se identificaram com o estado que os aguardava, menos longa ela é, porque compreendem imediatamente a posição em que se encontram.
As peripécias do que ocorre na agonia, na desencarnação e na readaptação do Espírito à vida espiritual podem ser vistas no livro Voltei, obra psicografada por Chico Xavier, cujo resumo visual pode ser verificado clicando-se neste link - https://www.youtube.com/watch?v=f6qO4WmJdJw


Nenhum comentário:

Postar um comentário