sábado, 3 de janeiro de 2015

Manifesto Espírita



JORGE LEITE DE OLIVEIRA
jojorgeleite@gmail.com
De Brasília-DF

Amada leitora, amigo leitor, certo dia em que jantava no lar de Pedro, em Betânia, junto de seus discípulos, o Governador da Terra permitiu que uma jovem derramasse sobre sua cabeça um vaso carregado de unguento de alto valor. Foi o bastante para que fossem ouvidos os seguintes murmúrios indignados: — Quanto desperdício! Há tantos pobres entre nós que poderiam usufruir do dinheiro arrecadado com a venda desse óleo...
Os anos correram, o Cristo foi crucificado e, no ano 64 da Era Cristã, Nero pôs fogo em Roma e culpou os cristãos, que foram queimados em postes para iluminar o circo romano, onde eram realizadas festas e jogos.
Decorridos duzentos e poucos anos, durante os quais quanto mais cristãos eram martirizados, mais o Cristianismo crescia, Constantino estava a caminho do domínio de Roma e de ser eleito seu Imperador, cavalgando à frente de seu Exército, quando viu uma cruz luminosa e uma inscrição: "Com este sinal, vencerás". Mandou reproduzir a cruz em ouro e pedras preciosas e, dias mais tarde, assinou um edito de tolerância religiosa, em especial, aos cristãos.
Em 381, o Imperador Teodósio declara o Cristianismo a religião oficial do Estado.
Em 607 D.C., o Imperador Focas favoreceu a criação do papado na Igreja romana. Depois disso, tivemos cerca de 1260 anos de amarguras e violências medievais...
Após séculos de guerras religiosas entre muçulmanos e católicos e destes com protestantes, em que, de perseguidos se tornaram perseguidores, os cristãos inverteram o alerta de Jesus a Pedro no Horto: "quem matar pela espada, pela espada morrerá".
No século XIX, em vista das absurdas desigualdades socioeconômicas e da miséria de muitos, surgem as teorias filosóficas e econômicas de Marx e Engels, expressas no Manifesto Comunista de fevereiro de 1848, que se afastam completamente da ideia de uma vida post-mortem e centralizam a vida na matéria. Esses e outros pensadores seduziram um grande número de pessoas, em sua maioria idealistas, mas desejosas de impor, pela força das armas, tais teorias, que incentivavam a ditadura do proletariado.
Adepto dessa luta contra a burguesia, emerge, do seio do povo argentino, um jovem que viveu apenas 39 anos, na Terra, mas quanto sofrimento causou a si mesmo e a dezenas de seus seguidores. Seu nome era Ernesto e viveu de 14 de junho de 1928 a 9 de outubro de 1967.
Filho de família burguesa, seus pais empobreceram quando ele ainda era adolescente e passaram a morar nas proximidades de uma favela. Para ajudar no sustento da família, Ernesto tornou-se funcionário público e estudava muito. Então conheceu as teorias dos citados comunistas, que transtornaram sua mente. Em 1951, ele entra para a universidade e inicia o curso de medicina, especializando-se, mais tarde, em lepra.
Percorre, em 1951 e 1953, vários países da América Latina, em cima de uma moto, acompanhado pelo amigo Alberto Granado, na primeira viagem, e por Ricardo Rojo, na segunda. Percorrem o interior da Bolívia, Equador, Peru, Colômbia, etc. e têm contato com índios, leprosos, oprimidos de toda a sorte.
Lembrado da tese de Friedrich Engels de que "o Estado é o Poder acima da sociedade" e adepto do comunismo soviético, Ernesto alimenta o sonho revolucionário de criar uma América Latina socialmente igual para todos. Associa-se a Raul e Fidel e chega a ocupar o cargo de ministro de Estado de Cuba, após formarem guerrilheiros em campos de treinamentos vitoriosos nesse país.
Em 17 de fevereiro de 1957, Ernesto Guevara de La Serna, já então conhecido como Che Guevara, executou sumariamente o primeiro traidor do grupo de guerrilheiros, o camponês Eutimio Guerra.
Com a ternura que lhe era habitual, o comandante disse que acabou com aquela situação incômoda atirando na cabeça do camponês. Em seguida, afirmou que, após apropriar-se dos demais pertences do camponês, não conseguia tirar seu relógio, preso por uma corrente ao cinto. "Então ele me disse, numa voz firme, destituída de medo: ‘Arranque-a fora, garoto, que diferença faz...’. Ele arquejou um pouco e estava morto. Assim fiz e seus bens agora me pertenciam". (Disponível em: Wikipédia. Acesso em 18.12.2014.)
Em 1959, Che Guevara recebe o título de cidadão cubano. Ele não se dá por satisfeito, quer socializar toda a América Latina. Forma nova guerrilha e tenta criar campos de treinamento no deserto do sudoeste boliviano.
Preso em 8 de outubro de 1967, Che Guevara é executado no dia seguinte por um soldado boliviano. Suas mãos são cortadas e enviadas para Cuba...
Amigos e amigas, nestes dias que antecedem o Natal, é preciso refletir nas palavras de Jesus Cristo: "violência gera violência"; nenhum poder terreno está acima do Poder de Deus, e "a cada um, segundo suas obras".
Em resposta aos discípulos, citados acima, que criticaram a mulher por ungir a cabeça dele com óleo caro, respondeu-lhes Jesus: — Por que afligis esta mulher? pois praticou uma boa ação para comigo. Porquanto sempre tereis convosco pobres, mas a mim não me haveis de ter sempre (Mateus, 26: 10- 11).
Devemos entender essas palavras em dois sentidos: pobres materiais e pobres espirituais, ambos em situação apenas temporária de pobreza, pois sendo o Espírito imortal, mais cedo ou mais tarde estará de volta ao cenário da Terra, para continuar seu esforço evolutivo. Aquele que hoje está na miséria pode ter sido o rico de outrora e vice-versa, pois sendo soberanamente justo e bom, Deus não privilegia ninguém.
É por ainda não entender o significado disso que tanto intelectual, no fundo ambicioso pelo poder, esse bichinho mais contagioso do que a lepra estudada por "Che", usa mal sua pseudociência e, fazendo-se substituto de Deus, tenta criar uma sociedade igual com Espíritos desiguais evolutivamente, criados de todo o sempre para um fim comum: a felicidade, que muitos negam por não entenderem que ela decorre do grau de perfeição individual.
Há pobres felicíssimos: a Maria do pão, o Chico Xavier, eu...; e ricos muito infelizes: os políticos corruptos, os presidentes desonestos, etc. etc. etc.
O único poder que devemos nos esforçar em ter é o de amar e de seguir os passos de Jesus, cujo último recado, antes de sair de casa para ir ao encontro dos seus algozes, após lavar e enxugar os pés de todos os seus discípulos, foi pedir-lhes que fizessem o mesmo entre eles (João, 13: 5 a 14).
Esse foi um gesto de extrema humildade do Senhor da Terra, pois a verdadeira felicidade não está em matar, roubar, dominar o nosso próximo, mas em ampará-lo em sua ignorância e servir-lhe de exemplo, sobretudo de trabalho digno e retidão de caráter.
Reflitamos, então, na lição do Senhor, narrada por João, 13: 34: "Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei".
Busquemos, assim, sentir a presença do Cristo em nossas vidas e conquistar o poder que nos fará feliz pela eternidade: o de amar e servir tal qual ele nos ama e serve até hoje.
Que esse seja o "Manifesto Espírita" (18 abr. 1857), ainda tão pouco conhecido pela humanidade, mas que veio cumprir a promessa de Jesus contida em João, 14: 15 a 18, concluído com as seguintes palavras: "Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós".
Um feliz 2015 para todos!

P.S.: o que denominamos "Manifesto Espírita" é o contido no chamado pentateuco kardequiano: O livro dos espíritos; O livro dos médiuns; O evangelho segundo o espiritismo; O céu e o inferno; e A gênese. Depois de lê-los sua vida nunca mais será burguesa nem proletária e, sim, humana, profundamente humana.

Leia, quando puder, o blog www.jojorgeleite.blogspot.com



2 comentários:

  1. Part 1
    Vou ser a primeira pessoa a comentar, mediante muitos que passaram direto?

    Gostaria muito que esse comentário fosse lido e respondido, mas a pagina parece abandonada... Enfim... Sou de delongas, isso me protege (eu acho) do imediatismo, ao mesmo tempo que me joga para os cães imediatistas.

    Gostaria de compreender o que o texto deseja suscitar.

    Sobre Che: As pessoas que julgam o extremismo não conseguem sair dos extremos, ou ele é descrito como herói, ou como um demônio, não conheço, salve minha modéstia, fora eu, quem tenha encontrado o homem entre o herói e o demônio.
    Jesus foi sábio quando disse que traria a guerra, mas é claro, a humanidade não consegue evoluir de outra forma, toda a nossa evolução, em todos os campos, é subproduto das guerras, e isso começou desde quando o primeiro macaco deu uma cacetada no outro para lhe roubar uma banana, lá no incio da humanidade!
    Por isso tudo e qualquer coisa será deturpada pela natureza da violência humana, e a paz se adere aos meios que o ser humano encontra para acessa-la. E por isso podemos falar do Cristo só pq Constantino pintou a cruz nos escudos de seus soldados, e foi graças ao determinismo doutrinário de Paulo que ele, Constantino, teve acesso a isso, pois se dependesse dos discípulos que andaram com Jesus, o cristianismo seria mais uma ceita do oriente e somente eles se digladiariam pelas razões de seu messias.
    Che atendeu a uma necessidade planetária, criada pelas escolhas do próprio homem, seres livres para tal e que somente evoluem assim, escolhendo e vivendo os resultados de suas escolhas.
    Não se manda um pacifista para cumprir um designo de guerra, assim como não se manda um combatente para designo pacifista... Não há diferença alguma entre Che e Chico Xavier, com ressalva que para determinado grupo um é melhor que o outro, pois cada qual veio para atender diferentes grupos, pois o que vcs espiritas parecem ignorar, é que estamos em um mundo diversificado, pois somos todos iguais, mas somos individuais e nos juntamos em grupos onde encontramos afins, e julgar a evolução dos grupos é um erro, pois vejo quem se julga um pedestal acima na evolução como um vaidoso iludido, pq estamos todos no mesmo barco e quem está um degrau mas alto não julga quem está lá atrás, pois já esteve lá atrás, as pessoas nos mesmos degraus costumam julgar e alardear razões.

    ResponderExcluir
  2. parte 2

    Não estou aqui inocentando Che, que ainda em vida resgatou seus crimes, pois quem fuzila, fuzilado é. Cumpriu com sua missão... Sabem quem era Barrabás, ele não era um ladrão, era um revolucionário que lutou contra Roma, era prisioneiro de roma por combater, como já disse, o julgo de roma que pesava em seu povo, e foi escolhido pelo Judeus, pois estes o via como libertador, e mandaram Jesus para a cruz, ao invés de julgar a moral de Barrabás em comparação com a de Jesus, pq não se compreende a mensagem?
    A humanidade sempre irá escolher a guerra, pois estão condicionados que somente por ela é que se chega a paz!
    Enquanto houver guerrilhas no mundo irá nascer guerrilheiros, e isso não quer dizer que vieram dos umbrais da maldade!
    Estão atendendo as necessidades evolutivas, são missionários também!
    Vocês só podem praticar a caridade porque existem miseráveis que necessitam de caridade, é muito para a vaidade dos caridosos compreender que os verdadeiros missionários são os miseráveis, que nascem com a missão de sofrerem para que seres endurecidos exercitem o amor, a vaidade é a pior das vendas!
    Quanto ao comunismo, eu costumava dizer ser comunista, desde cedo me encantei por essa filosofia, mas cedo também entendi que ela estava toda errada e por incompetência moral e intelectual dos seus receptáculos, humanos não possuem evolução libada para compreender o comunismo e tudo que passa pelo crivo humano se contamina de violência, obrigar as pessoas a viverem como não capazes de viver...Sim o comunismo é violento e contaminado, assim como tudo nesse mundo é!
    Assim como o Cristianismo é, as leis cristãs são... O que fazem? Pegam o que consideram melhor e mais congruente com o tempo em que vivemos e retiram aquilo que julgam crendices arcaicas e ritualísticas, colocam um pouco de ciência, claro selecionando também aquela ciência que corrobore o que escolheram seguir das doutrinas cristãs, e então criam uma filosofia. Onde se replica nos altos as necessidades evolutivas humanas, e o melhor exemplo desse espelhamento da matéria no espiritual, para mim, sempre será o "Bônus Hora", pagar para ver os parentes, ou para programas de lazer e recreativos das colônias espirituais... Qual a necessidade? Os espíritos lá necessitam se sentir gratificados, receber pelo o que fazem, e quem transcende as necessidades humanas, a primeira coisa que deixa para trás é o capitalismo rsrsrsrs ou não é?
    Louvado seja a minha ignorância irmãos, pois se por um acaso tiver eu algum direito em "bônus Horas" pelos humildes trabalhos no bem que realizei em vida carnal, deixo este "dinheiro" para os que ainda necessitam do verbo "ter".

    L. Thoreserc

    ResponderExcluir